sábado, 28 de março de 2009

As Disciplinas de Filosofia

As disciplinas mais centrais e gerais da filosofia são as seguintes:

  • Metafísica
  • Epistemologia
  • Ética
  • Filosofia Política
  • Lógica

A metafísica estuda problemas relacionados com os aspectos mais gerais da estrutura da
realidade, nomeadamente os seguintes: a natureza da verdade; a independência do mundo
relativamente à nossa experiência; a natureza da objectividade e da subjectividade; a
identidade pessoal; o livre-arbítrio; o sentido da vida; a natureza da modalidade e a
existência de mundos possíveis; a identidade, a persistência e a substância dos objectos;
acontecimentos e substâncias; universais e particulares; a noção de causalidade e de lei da
natureza; problemas conceptuais do espaço e do tempo. A ontologia é a parte da
metafísica que estuda a existência ou o que há: que tipo de existência têm os números, ou os
universais? Que tipo de existência tem um acontecimento ou uma proposição? Os temas
introdutórios mais comuns no que respeita à metafísica são a identidade pessoal, o livrearbítrio
e a persistência dos objectos.

A epistemologia estuda problemas relacionados com o conhecimento em geral,
nomeadamente os seguintes: a análise de conhecimento como crença verdadeira justificada;
a estrutura da justificação cognitiva (fundacionalismo, coerentismo, externalismo, teorias
causais, etc.); o problema do cepticismo; fontes de conhecimento (conhecimento a priori e
a posteriori, indução, testemunho, etc.). Os temas introdutórios mais comuns no que
respeita à epistemologia são a análise de conhecimento, as teorias da justificação
(fundacionismo e coerentismo) e o problema do cepticismo.

A ética (ou a filosofia moral) estuda problemas relacionados com o modo como devemos
viver e com o que devemos valorizar. A ética abrange três áreas ou subdisciplinas distintas:
a metaética, a ética normativa e a ética aplicada. A metaética estuda problemas mais
abstractos, relacionados com a natureza da própria ética; a ética normativa estuda
diferentes sistemas éticos; e a ética aplicada estuda problemas práticos, como o aborto ou a
eutanásia. Eis alguns problemas da ética em geral: o egoísmo (ético e psicológico); a Regra
de Ouro; a natureza da normatividade e da razão prática; a objectividade do juízo ético;
responsabilidade moral, deliberação e decisão; acrasia; relativismo ou realismo éticos; a
incomensurabilidade de valores. Algumas das teorias normativas mais importantes são a teoria das virtudes, o utilitarismo e a ética deontológica. Alguns dos problemas mais
estudados em ética aplicada são os seguintes: o aborto, a eutanásia, o estatuto moral dos
animais não humanos, a ética do meio ambiente e o problema ético da pobreza no mundo. A
ética aplicada deu entretanto origem a várias subdisciplinas próprias, como a ética
empresarial, a ética jornalística, a ética médica, a bioética em geral, a ética universitária, etc.
Os temas introdutórios mais comuns no que respeita à ética prática são o aborto, a
eutanásia e os direitos dos animais; no que respeita à ética normativa, esses temas são o
utilitarismo, a ética de Kant e o egoísmo; e no que respeita à metaética o tema mais comum
é o relativismo ético.

A filosofia política consiste na aplicação da filosofia (da ética principalmente) a questões relacionadas com os indivíduos enquanto organizados sob a égide de um Estado. Ela investiga questões do seguinte tipo: Um indivíduo possui direitos que contrariam os interesses do Estado? Há no Estado algo mais além dos indivíduos que o constituem? É a democracia a melhor forma de governo?

A lógica estuda e sistematiza a argumentação válida. A lógica tornou-se uma disciplina
praticamente autónoma em relação à filosofia, graças ao seu elevado grau de precisão e
tecnicismo. Hoje em dia, é uma disciplina que recorre a métodos matemáticos, e os lógicos
contemporâneos têm em geral formação matemática. Todavia, a lógica elementar que se
costuma estudar nos cursos de filosofia é tão básica como a aritmética elementar e não tem
elementos matemáticos. A lógica elementar é usada como instrumento pela filosofia, para
garantir a validade da argumentação.

Existem também as diciplinas também de importância no estudo da filosofia mas que não são consideradas centrais como:

  • Filosofia da religião
  • Estética e filosofia da arte
  • Filosofia da ciência
  • Filosofia da mente
  • Filosofia da linguagem
A filosofia da religião estuda temas como os seguintes: argumentos a favor e contra a
existência de Deus, como os argumentos ontológico, do desígnio ou cosmológico, e o
problema do mal; a racionalidade e a epistemologia da fé; a natureza de Deus e as suas
propriedades; filosofia da linguagem religiosa; a ideia de alma e de imortalidade. Os temas
introdutórios mais comuns no que respeita a esta disciplina são os argumentos a favor de
Deus e as suas críticas, o problema do mal e o fideísmo.

A estética e a filosofia da arte são subtilmente distintas, mas hoje em dia estuda-se
sobretudo a última. A estética estuda a natureza do juízo estético em geral; a filosofia da
arte estuda problemas como a definição de obra de arte e o valor da arte. O tema
introdutório mais comum no que respeita a esta disciplina é a definição de obra arte,
estudando-se em geral as várias teorias que respondem a este problema.

A filosofia da ciência estuda aspectos epistemológicos, metafísicos e lógicos relacionados
com as ciências em geral, incluindo as ciências da natureza e as ciências humanas. Eis
alguns dos temas estudados nesta disciplina: a relação entre teoria e observação; a
confirmação de teorias científicas; a interpretação da probabilidade; a noção de explicação
científica e de leis da natureza; realismo e anti-realismo científicos; incomensurabilidade de
teorias; o estatuto dos inobserváveis; unidade e diversidade das ciências. A filosofia das
ciências tem dado origem a várias subdisciplinas especializadas: filosofia da biologia,
filosofia da física, filosofia das ciências humanas e filosofia da história. Os temas
introdutórios mais comuns no que respeita a esta disciplina são a relação entre observação e
teoria, o problema da confirmação (indutivismo e falsificacionismo), realismo e antirealismo
científicos, e o problema da demarcação (entre ciências e não ciências).

A filosofia da mente estuda problemas metafísicos e epistemológicos relacionados com
os fenómenos mentais. Eis alguns dos temas estudados nesta disciplina: a relação mentecorpo
— fisicismo, dualismo, funcionalismo; o problema da causalidade mental; a existência
de mentes alheias (o problema do solipsismo); o valor da introspecção e a autoridade da
primeira pessoa com respeito aos seus estados mentais; os fenómenos mentais: consciência
e experiência, qualia, conteúdo perceptivo; intencionalidade e atitudes proposicionais;
internalismo e externalismo mental; o papel e a natureza das emoções; a natureza da acção;
acrasia. Tanto a filosofia da linguagem como a metafísica e a filosofia da psicologia estão
intimamente relacionadas com a filosofia da mente. Os temas introdutórios mais comuns
no que respeita a esta disciplina são as teorias fisicistas, dualistas e funcionalistas sobre o
problema da mente-corpo e o problema do solipsismo.

A filosofia da linguagem estuda todos os problemas relacionados com o funcionamento
da linguagem e o fenómeno do significado linguístico. Eis alguns dos temas desta disciplina:
a natureza do significado — significado, verdade e realismo, indeterminação; pragmática; a natureza do conhecimento do significado e das regras linguísticas; o problema da
referência: indexicais e demonstrativos, nomes próprios, descrições definidas, quantificação
e anáfora; atitudes proposicionais; sentido, força e modo; advérbios e quantificação sobre
acontecimentos; a distinção entre diferentes línguas, linguagens e idiolectos; o significado
das metáforas. Os temas introdutórios mais comuns no que respeita a esta disciplina são as
teorias da referência e as descrições definidas.

PS: Nessa Organização de Desidério Murcho para a revista Crítica ele coloca Filosofia Política como disciplina não central. Optei por colocá-la como central ao ver que a Ética trata mais da teoria e sistemas que da própria prática que viria na Filosofia Política, sendo de tamanha importância, a meu ver, colocando-se assim como disciplina central para o estudo da Filosofia.

Fonte: Renovar o Ensino da Filosofia. Lisboa: Gradiva, 2003.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário